Utilize o teclado para navegar, com Ctrl + nº da tecla

  Ctrl + 1 (menu)   Ctrl + 2 (conteúdo)   Ctrl+ 3 (busca)   Ctrl + 4 (mapa)   Ctrl + 0 (acessibilidade)
  Fonte Maior   Fonte Menor   Fonte Padrão
  Contraste
×

menu

Turismo


Museu da Cultura e Imigração Italiana em Santa Teresa

Área: Museu

Museu conta a história da imigração italiana em Santa Teresa. A primeira cidade fundada por imigrantes italianos do Brasil em 1875, Santa Teresa tem um lugar especial para quem quer conhecer um pouco dessa história: O Museu da Imigração. O espaço foi inaugurado no final de 2016 e ocupa o 2º piso da Galeria. A Galeria Cultural Virgínia Tamanini, localizada ao lado da rodoviária no centro da cidade. O museu abriga desde utensílios usados no dia a dia das famílias pioneiras como panelas, bules, moedores, passado por roupas típicas, mobílias, baús e até motocicletas e máquinas de escrever e também de costura. Na parede, uma linha do tempo expõe de maneira didática e precisa fatos importantes ligados à Doce Terra dos Colibris, desde o sorteio dos lotes cedidos pelo governo imperial às pioneiras famílias italianas que chegaram no então chamado núcleo Timbuhy da Colônia de Santa Leopoldina até os dias atuais. O Museu da Imigração também abriga preciosas peças que retratam a religiosidade e papel dos franciscanos na educação da região, como fundadores da 1ª escola na sede do município, que depois viria a ser o colégio Ítalo Brasileiro e se desdobrar na ESFA (Escola São Francisco de Assis). Isto porque boa parte do acervo foi doada pelos padres franciscanos, que mantiveram o Museum Seraphicum no município entre 1986 e 1994. É o que conta o Frei José Cortelleti, o Beppe, um dos idealizadores e responsáveis pelo Seraphicum. “Doamos cerca de 400 peças ao Museu do Imigrante. A ideia de fazer este Museu veio da necessidade de preservar e expor o acervo do Museum Seraphicum, que estava guardado e se deteriorando. Esse processo teve a intermediação do Instituto Leonardo da Vinci, que também apoiou a ideia da criação do Museu do Imigrante”, conta. Além do acervo religioso, o Seraphicum também legou acervo de objetos pessoais do mais ilustre teresense e um dos mais importantes capixabas: o cientista e ambientalista Augusto Ruschi (1915 –1986), considerado o patrono nacional da ecologia e referência mundial na luta pela preservação do meio ambiente. “Inclusive o velho chapéu de Ruschi, que ele usou em expedições pelos quatro cantos do mundo, além da vara e dos lençóis usado para transportar seu corpo até a sepultura no interior da floresta de Santa Lúcia”, conta Bepe, grande amigo de Ruschi. O Museu da Imigração é mantido pela Prefeitura de Santa Teresa e funciona de quinta – feira à domingo, de 9h às 12h e das 14h às 17h. A entrada custa R$ 2. Estudantes pagam meia. A entrada é franca para crianças e idosos. Para grupos maiores e turmas de estudantes é necessário agendamento prévio, pelo telefone 3259 – 2357. Localizado na Galeria Cultural Virgínia Gasparini Tamanini, tem o objetivo difundir a história e o patrimônio cultural teresense, através da exposição “Santa Teresa – Nostra Terra, nostra gente!”. Ingresso: 2,00 (Inteira)

Endereço: Rua: Ricardo Pasolini, n. 246

Bairro: Centro, Santa Teresa

Telefone fixo: (27) 3259-1344

Ramal: (27) 3259-2357

E-mail: [email protected]

Expediente: De segunda a domingo, Horário - 08:00 às 11:00 e de 12:00 às 16:00 hrs.


Carta de Serviço ao Usuário

Conheça os serviços oferecidos pela administração municipal de Santa Teresa.

Taxa de Vigilância Sanitária

Emissão de guia para pagamento da 2ª via de carnê da Taxa de Vigilância Sanitária.


topo